2016-04-08

Por Francisco Lopes de Aguiar - diretor-presidente Liderança Serviços

 

A palavra crise vem do grego “krísis” que era usada pelos médicos antigos com um sentido particular. Quando o doente, depois de medicado, entrava em crise, era sinal de que haveria um desfecho: a cura ou a morte.

Vivemos agora um momento de crise econômica no país, que vem provocando demissões, fechamento de empresas e redução no número de novos negócios. Mas isso não pode ser motivo para desânimo, pelo contrário, deve ser visto como uma oportunidade. Se tirarmos a letra “s” da palavra crise, veremos o que precisa ser feito para superá-la. Crie, e verás que novas formas de realizar o trabalho, além da gestão das empresas e pessoas abreviarão o percurso para o atingimento das metas.

Estreitar o relacionamento com os colaboradores é o primeiro passo para dar a volta por cima e crescer mesmo diante de um cenário desfavorável. Colaborador motivado e capacitado é meio caminho para o sucesso. O segundo passo é valorizar seus atuais parceiros, sem esquecer de conquistar os novos. Lembre-se o quão difícil foi fechar contratos no passado, para a obtenção da carteira ativa de clientes, e dê a atenção que esse parceiro merece. Ao mesmo tempo, é necessário abrir novas frentes, e ampliar os negócios, criando oportunidades e estando preparado para atender com excelência cada novo cliente.

Um clima de positividade deve ser permanente nas organizações que pretendem passar pela crise sem danos maiores. Ver sempre o lado bom em tudo, ajuda a superar obstáculos e encontrar a alternativa ou solução para dificuldades que venham a aparecer.

O austríaco Peter Drucker, considerado o pai da administração, dizia “para sobreviver e ter sucesso, cada organização tem de se tornar um agente da mudança. A forma mais eficaz de gerenciar a mudança é criá-la. ”

Ou seja, o que irá definir se a crise será a cura ou a morte de seus negócios é a sua iniciativa e de seus colaboradores. Se a atitude for vencedora, certamente o resultado será o sucesso!